Joana Levi




camille



Concepção e criação: Joana Levi e Dinah Cesare

Direção e dramaturgia: Dinah Cesare

Com: Joana Levi

Texto : Cartas escritas por Camille Claudel

Fotos: Rubens Cardia (cor) e André Valentim (PB)
Design : Paula Delecave








O DEUS QUE VOOU

Performance teatral sobre a escultora francesa Camille Claudel. O solo com a atriz Joana Levi trabalha com os aspectos íntimos e artísticos do universo da escultora.

A diretora Dinah Cesare propõe uma encenação que parte do espaço vazio e se constrói, diante do espectador, através das imagens projetadas na cena pela potência de um embate físico e verbal.

A ação surge da intercessão entre as artes plásticas e cênicas, usando como matéria-prima a escrita de Camille Claudel - suas cartas e esculturas.

Sinopse

A performance O Deus que voou toma emprestado o título de uma das obras de Camille Claudel, "personagem" motivo desta história.

A ação se passa no ateliê, onde a escultora se isola, dias antes de sua internação no asilo para alienados de Montdevergues.

Camille se fecha em um mundo particular contrário à realidade, como se a arte fosse seu único viés existencial. Suas atitudes são ditadas por um embate verbal solitário que cria com aqueles que ama e rejeita: a família, Rodin, a crítica e todo o senso comum que a oprime.