Joana Levi




as barcas



Direcção e dramaturgia: João Garcia Miguel

Actores: Felix Lozano | Sara Ribeiro | David Pereira Bastos | Joana Levi

Música e Vídeo: Rui Gato

Figurinos: Steve Denton

Programação Interactiva áudio-visual: André Sier

Desenho de Luz e Direcção Técnica: Luís Bombico

Direcção de Produção: Filipa Hora

Apoio à Dramaturgia: Teresa Fradique

Apoio ao espaço cénico: Mantos

Fotografias: Jorge Reis

Assistência à Direcção: João Samões

Produção Executiva: Claudia Figueiredo

Apoio Gráfico: Red Beard

Produção: JGM, Guimarães Capital da Cultura | Festival Gil Vicente

Co-produtores: Islotes En Red, Rui Viola Produções




AS BARCAS

Em busca de um corpo sensível, de um corpo perdido nos labirintos do tempo e dos sentidos, regresso ao tema das viagens em As Barcas, inspirado num conjunto de textos de Gil Vicente, figura marcante do teatro medieval português.

Abordamos os textos do dramaturgo português tomando-os como instrumentos activos a exploração e recomposição técnica e poética. Queremos transformá-lo em movimento, traduzi-lo em performance, criando linguagens corpóreas paralelas. Buscamos no texto o corpo, o esqueleto, o músculo que nele existe. Buscamos a sensibilidade escondida por debaixo das palavras, enquanto alegoria do olhar sobre um mundo comum, a partir da perspectiva de uma morte simbólica, que funciona como um cais de partida para a vida.

O contexto desta obra é a impossibilidade de construção contemporânea de um mundo partilhado, seja em termos das realidades singulares, seja a partir de uma realidade portuguesa, ou mesmo europeia. A viagem parte desse território do impossível real onde os nomes das coisas existem rumando em busca de um território onde o sim - a palavra de Deus -, e o não - a palavra do Diabo -, se confundem num corpo que se destrói e constrói. Corpo que é caminho, cruzamento, nervo, suspensão, impermanência, impertinência.



João Garcia Miguel